Dia do Comerciante: empresários buscam driblar os desafios



Nesta quinta-feira (16), é o Dia do Comerciante, empresário que desde março tem sentido na pele e nos negócios os efeitos devastadores que vieram junto com a Covid-19. A CDL, Câmara de Dirigentes Lojistas de Uberlândia tem acompanhado  as perdas e os danos das empresas que têm feito de tudo para não baixarem as porta. “Nos orgulhamos muito de representar a classe lojista, porque sabemos que ela é uma das principais geradoras de emprego e renda. Estamos juntos para enfrentar as aflições, insegurança e incertezas de maneira geral, nesse momento o desafio é conseguir a reabertura segura e definitiva das atividades econômicas em equilíbrio com as preocupações da saúde”, disse Cicero Heraldo Novaes, presidente da CDL Uberlândia.
Desde março, a CDL tem buscado alternativas e oferecido apoio aos empresários ao manter relacionamento com o poder público, criando campanhas de doações de cobertores e cestas básicas, lançando a plataforma de e-commerce gratuita, além de firmar parceria com Check-Up para testagem da Covid-19. “Esperamos que o processo para derrubar a liminar do TJMG seja alcançado e os planos de abertura retornem com efetividade e harmonia. Os comerciantes vêm sofrendo com imposições infundadas, por falta de fiscalização fora de suas atividades e medidas que aumentem a capacidade de atendimento à saúde. O Dia do Comerciário tem pouco a comemorar, lembrando que sem o devido carinho com quem produz, as consequências resultarão em uma crise muito pior”, ressalta, Cicero.
Empresária há mais de 30 anos, a proprietária da Sturiny Modas, Terezinha Esturino Carvalho conta que depois da pandemia, muita coisa mudou. “Nossa rotina não é a mais a mesma. Posso ter esperança, mas não garantir nada. Tenho três lojas, fechadas desde março. Uma hora manda abrir, outra pede para fechar e ficamos muito mais fechados que aberto. Devo fechar uma ou duas em breve. Não consigo segurar as despesas. Dei férias para quem tinha que tirar, fiz a suspensão, reduzimos a carga horária e nosso tempo está acabando. Não estamos faturando. Então, comemoro com tristeza pelo que está acontecendo e esperança que melhore”, afirma.
Terezinha ainda diz que é preciso correr atrás para modificar nosso negócio. “A palavra de reinventar não é tão bonita assim. Para isso, precisamos de recurso, pois tudo tem custo, a tecnologia tem custo. A grande maioria está dispensando funcionários. O governo tentou ajudar, emprestou dinheiro para manter funcionário que ganhou estabilidade, está em casa. Daqui a pouco, acaba o tempo e ele tem que voltar, mas se o comércio não abre, eu tenho que pagar para ficar em casa, como o governo emprestou dinheiro, vou ter que usar dinheiro que o governo me emprestou para pagar a estabilidade. Olha onde estamos entrando!”. 
Outra empresária com experiência no comércio é Marielle Vilela, da Maison Lela Acessórios. A empresária disse que a grande mudança é as vendas virtuais. “Hoje as vendas são feitas através site e WhatsApp. Se a gente não posta, não faz foto, não ativa o cliente, não vende. Estou me reestruturando, contratando pessoas para redes sociais para fazer campanhas patrocinadas, para ver se atinjo um público maior, inclusive fora de Uberlândia. Estou relançando meu site e fazendo capacitação, tanto eu, quanto meus funcionários para girar online. O cliente está no mundo para comprar e precisamos estar nas mãos deles também”, finaliza.

Comentários