sábado, 21 de dezembro de 2019

Conceitos errados sobre a depressão

A saúde mental ainda está entre as áreas mais estigmatizadas da medicina, e há muitas razões para isso, começando pela história sombria dos hospícios e asilos para tratamento de doenças mentais e terminando com o fato de que é difícil acreditar que uma doença possa afetar os pensamentos e o comportamento de alguém. Quando se trata de depressão, as coisas ficam ainda mais complicadas, pois costumamos dizer que estamos deprimidos ou "pra baixo" simplesmente quando estamos de mau humor, o que tem pouco a ver com a condição depressiva real.
Concluímos que é muito importante discutir a depressão e conhecer informações  mais precisas sobre  essa condição, principalmente porque ela afeta tantas pessoas. Segundo a Organização Mundial da Saúde, a depressão é a principal causa de incapacidade em todo o mundo, com 264 milhões de pessoas de todas as idades sofrendo da doença. Aqui estão oito dos mitos e medos mais comuns em torno da depressão:

'Depressão não é uma doença real'
Infelizmente, o cérebro não é imune a doenças e fica doente tanto quanto o restante do corpo. E uma maneira de se manifestar é através de condições psiquiátricas, entre as quais, a depressão. Pessoas com depressão têm problemas funcionais e estruturais realmente identificáveis no cérebro, como um lobo frontal e hipocampo menores. Essas são áreas do cérebro que, juntas, afetam o julgamento, o comportamento e as emoções. 
Sentir-se deprimido por meses ou anos não é normal. Mesmo que você tenha passado por algum evento traumático, o seu bem-estar mental pode ser melhorado com tratamento. Portanto, procure ajuda profissional se suspeitar que você ou um ente querido está sofrendo de depressão. Outra coisa: depressão não é falta de fé, não. É sofrimento psíquico que pode acontecer a qualquer pessoa.

'Não é depressão, é apenas autopiedade'
Certamente, é verdade que os pacientes que sofrem de depressão geralmente sentem que não conseguem lidar com sua condição ou mesmo com tarefas diárias mínimas, como tomar banho, escovar os dentes, pentear o cabelo. São sintomas da condição e não de autopiedade. Ao contrário de um sentimento fugaz de tristeza e autopiedade, esse sentimento de impotência, juntamente com outros sintomas mentais e físicos, pode durar meses ou até anos.
É exatamente por isso que a depressão é considerada uma condição debilitante. Não desacredite das queixas de uma pessoa se ela disser que está se sentindo assim ou diga que "isso vai passar", pois pode parecer que você não está levando a condição dela a sério. Ninguém escolhe ser depressivo.

'Ocupar-se com novas tarefas cura a depressão'
Preencher sua agenda até o topo com novos compromissos, hobbies e outras atividades na esperança de mudar sua vida não ocasionará uma mudança duradoura em seus sintomas depressivos, nem o distrairá da condição. Nas verdade, os pacientes geralmente percebem que a depressão diminui seu desempenho no trabalho e em casa, e até atrapalha a criatividade, o que apenas diminuirá ainda mais sua autoestima e impedirá que você se sinta realizado.
Como se isso não bastasse, a depressão pode realmente prejudicar seu senso de julgamento, e é por isso que os psicólogos e psiquiatras recomendam não tomar nenhuma decisão importante durante um episódio depressivo. No entanto, isso não significa que você não deve se envolver em atividades agradáveis ​​ou divertidas para melhorar seu bem-estar. Estamos simplesmente sugerindo que isso precisa ser feito juntamente com o tratamento médico.

'Pessoas deprimidas parecem tristes o tempo todo'
Em muitos casos, as pessoas que sofrem de depressão ocultam seus sintomas, e, além disso, depressão e tristeza não precisam andar de mãos dadas. De fato, os sintomas da depressão variam de pessoa para pessoa, e algumas ficam mais irritadas e irascíveis quando estão deprimidas, principalmente os homens; enquanto outras se esquivam das pessoas e sentem culpa constante.
Para ilustrar ainda mais as várias maneiras pelas quais a depressão pode se manifestar, também apontamos que tanto a insônia quanto o sono excessivo, e a perda ou ganho repentino de peso podem ser sintomas de depressão. O modo como a depressão é expressa varia de acordo com o sexo, a idade e as diferenças individuais, mas uma parcela significativa dos pacientes experimenta perda de energia, dificuldades de concentração e interesse ou prazer diminuído na maioria ou em todas as atividades, de acordo com o a Associação Psiquiátrica Americana.

'Se seus pais sofreram de depressão, o mesmo acontecerá com você'
Há um aspecto genético da depressão, com os pesquisadores há muito tempo observando que as pessoas têm maior probabilidade de desenvolver depressão se pelo menos um dos pais a tiver. No entanto, um risco aumentado não significa que você certamente desenvolverá a condição, pois há muitos exemplos de pacientes com depressão clínica criando filhos que nunca exibiram sintomas de depressão.
Verdade seja dita: não há como os pesquisadores calcularem quanta predisposição genética indica o aparecimento de depressão. Ainda assim, saber que você tem histórico familiar de depressão significa que pode diminuir outros fatores de risco, exercitando-se e afastando-se do álcool e das drogas.

'Depois de começar a tomar antidepressivos, você dependerá deles por toda a vida'
Os antidepressivos são prescritos para tratar a depressão clínica e existe uma variedade enorme deles. Em média, você começará a sentir o efeito dos antidepressivos após 3-4 semanas de uso regular, e a maioria dos pacientes precisará tomá-los por vários meses para voltar a um estado estável.
Uma vez que seu médico determine que você está pronto para interromper o medicamento, ele sempre começará a reduzir lentamente a sua dose e nunca interrompeá o medicamento abruptamente, pois isso pode causar crises de abstinência ou até outro episódio depressivo. Os antidepressivos podem ser combinados ou substituídos por sessões de psicoterapia, com diferentes tratamentos adequados às necessidades dos pacientes.

"Os homens não sofrem de depressão"
Depressão afeta todos os sexos e idades. E, embora seja verdade que as mulheres são estatisticamente duas vezes mais propensas a serem diagnosticadas com depressão do que os homens, isso não significa que os homens raramente ou quase nunca sofram dessa condição. De fato, foi sugerido que as estatísticas são tão distorcidas em relação às mulheres porque os homens não procuram ajuda com tanta frequência quanto elas.
Isso pode ocorrer porque a depressão é mais frequentemente expressa através de sintomas menos típicos, como agressividade, nos homens, do que nas mulheres. Esse é ainda mais um motivo para procurar ajuda médica para evitar o pior. Infelizmente, as estatísticas mostram que os homens que sofrem de depressão têm maior probabilidade de tirar suas vidas do que as mulheres, e esperamos que esse quadro mude logo.

Antidepressivos podem alterar sua personalidade
Tomar antidepressivos pode parecer assustador, pois esses medicamentos são elaborados para alterar a química do cérebro em áreas específicas. No entanto, você não deve se preocupar com a possibilidade de os antidepressivos mudarem você como pessoa, pois esses medicamentos agem apenas em receptores muito específicos do seu cérebro e não podem mudar o seu cérebro globalmente. Portanto, eles não afetam a sua personalidade.
Assim como uma xícara de café que lhe anima de manhã ligando a cafeína aos receptores de adenosina no cérebro, os antidepressivos tratam o problema da depressão sem afetar o cérebro de outra forma. Obviamente, se um medicamento específico faz você se sentir pior ou causa efeitos colaterais desagradáveis, você deve conversar com seu médico sobre a troca de medicamentos. Porém, em média, as pessoas realmente se sentem bem melhor quando começam a tomar antidepressivos.

Fonte: https://www.tudoporemail.com.br/

Compartilhar

Postagens Relacionadas

Conceitos errados sobre a depressão
4/ 5
Oleh

Assine via e-mail

Adicionar o seu endereço de e-mail para subscrever .

Página inicial