quinta-feira, 30 de maio de 2019

Uberlândia Refrescos recebe DMAE em visita técnica


Eficiência da Atividade Metanogênica Específica da indústria de bebidas é acompanhada pelo DMAE
Da esquerda para direita: Geraldo Henrique, Porfírio Lauro, Patrícia Marina, Jader Silva e Adão Silva
    A equipe ambiental da Uberlândia Refrescos recebeu nesta quinta-feira, 29.05, o Departamento Municipal de Água e Esgoto (DMAE) de Uberlândia para realização de uma visita técnica, a respeito da Atividade Metanogênica Específica (AME) e Granulometria da Estação de Tratamento de Efluentes (ETE) da empresa. Estavam presentes: Adão Silva, gerente de Asseguração da Qualidade e Meio Ambiente, Patrícia Marina, supervisora ambiental, Geraldo Henrique, técnico da ETE, Camila Vieira, analista ambiental, todos da Uberlândia Refrescos, Jader de Oliveira Silva, supervisor de operações da ETE Uberabinha e Porfírio Lauro dos Santos, encarregado de laboratório do DMAE.
A visita foi realizada visando conhecer mais sobre o processo de Atividade Metanogênica Específica, na qual, por meio de simulação foi possível ver in loco como ela funciona e quais os resultados esperados. De acordo com Jader Silva, “a ETE do DMAE pode ganhar muito com a prática da AME e a visita possibilitou a demonstração na prática das análises, o funcionamento do reator e a eficiência das bactérias”, relatou Jader.
Ainda, segundo Geraldo Henrique, da Uberlândia Refrescos, a visita foi muito positiva. “Foi orientado todo procedimento, como coleta do lodo, preparação dos produtos químicos, manuseio dos equipamentos, manutenção dos equipamentos, preenchimento em planilhas, interpretação dos dados. Tanto na parte teórica quanto a pratica, foi realizado simulação do procedimento para melhor entendimento. 

AME – o que é?
A atividade metanogênica específica (AME) pode ser definida como a capacidade máxima de produção de metano por um consórcio de microrganismos anaeróbios, realizada em condições controladas de laboratório, para viabilizar a atividade bioquímica máxima de conversão de substratos orgânicos a biogás. A determinação da capacidade do lodo anaeróbio em produzir metano é importante porque a remoção de elétrons equivalentes, ou seja compostos reduzidos causadores da demanda química de oxigênio (DQO), da água residuária a ser tratada só ocorrerá de fato com a formação do metano, que por ser praticamente insolúvel em água, escapa facilmente da fase líquida.
Desta forma, a AME pode ser utilizada como um parâmetro de monitoramento da "eficiência" da população metanogênica presente em um reator biológico e, como tal, constitui-se ainda em uma importante ferramenta para o controle operacional de reatores anaeróbios (Foresti et al, 1999).

Compartilhar

Postagens Relacionadas

Uberlândia Refrescos recebe DMAE em visita técnica
4/ 5
Oleh

Assine via e-mail

Adicionar o seu endereço de e-mail para subscrever .

Página inicial