quinta-feira, 2 de maio de 2019

Quais os prejuízos de uma infância sem brincadeira?


Oficinas do EMCANTAR Social em Uberlândia resgatam o brincar e promovem cidadania.

Parece brincadeira afirmar que é preciso proteger o direito de nossas crianças brincarem. Mas é isso mesmo! Justamente a brincadeira, expressão tão espontânea da infância que guarda em si incontáveis benefícios para o desenvolvimento individual e coletivo, está ameaçada. O ciclo é claro: pais ocupados recorrem às telas para fazer o que precisam enquanto filhos compenetrados se viciam na virtualidade. Quais os prejuízos reais dessa tendência?
Cláudia Miranda é arte-educadora e trabalha, juntamente com o cantor e compositor Luiz Salgado, em um projeto do EMCANTAR Social, cujo objetivo é resguardar a brincadeira na infância. Ao todo, 360 crianças e adolescentes de 06 a 14 anos, moradores de bairros com baixa infraestrutura e pouco acesso a bens culturais de Uberlândia (MG), estão participando dessas atividades que resgatam brincadeiras populares com muita música e diversão.
“Durante a brincadeira se aprende a dividir espaço, a propor e a aceitar proposições de outros, é onde se aprende que existe mais pessoas no mundo, diferentes de você, e que o legal é compartilhar e aprender junto. Assim, acreditamos que brincar é um dos primeiros exercícios de cidadania da vida através do qual estabelecemos inúmeros processos de expressão e socialização”, comenta Miranda.
Para o desenvolvimento das atividades do projeto, são utilizadas as duas tecnologias educacionais desenvolvidas pelo EMCANTAR em seus mais de 20 anos de experiência em projetos de formação de arte e educação. “As tecnologias oferecem diversas opções de canções e brincadeiras, estando uma delas, inclusive, disponível para download gratuito no site www.emcantar.org”, completa Miranda.
O projeto de oficinas com base nas tecnologias educacionais do EMCANTAR Social é realizado pelo EMCANTAR Social em Uberlândia em parceria com ONGs como Instituto de Formação Vamos Crescer, Estação Vida e Comunidade Casa, apoio do Programa Transforma, patrocínio do Instituto Algar e incentivo da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais.

Horários e locais de oficinas:
Oficinas da Tecnologia Parangolé (Canções e Brincadeiras) às terças, quartas e quintas de 8h30 às 10h30 e de 14h às 16h no Clube Cesag (bairro Alvorada)
Oficinas da Tecnologia Escutatória (Artes Integradas) às terças e quintas de 8h30 às 10h30 e às terças de 14h às 16h no Instituto de Formação Vamos Crescer (bairro Jardim Holanda)
Artes Cênicas às sextas de 8h30 às 10h30 e às quintas e sextas de 14h às 16h na Ong Estação Vida (bairro Shopping Park)


Compartilhar

Postagens Relacionadas

Quais os prejuízos de uma infância sem brincadeira?
4/ 5
Oleh

Assine via e-mail

Adicionar o seu endereço de e-mail para subscrever .

Página inicial