sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Guia básico para negociar seu usado



Vender o carro pode representar uma folga no orçamento, mas cuidados são necessários para evitar prejuízo desnecessário
Seja pela crise financeira, pelo boom de carros de aplicativo ou simplesmente para dar um upgrade na garagem, cresce o número de pessoas querendo vender o carro usado. Se o mercado on-line oferece uma noção da situação do mercado, a venda “cara a cara” continua sendo a melhor opção, e em um feirão as chances de fechar o negócio aumentam ainda mais.
Em feirões automotivos, o público que busca comprar encontra quem quer vender, e a variedade costuma ser grande. Para se destacar, é fundamental que o veículo esteja com a situação em dia. Um carro sem multas, com as documentações completas e em dia tem mais valor na hora da negociação e facilita a transação. Em caso de necessidade de se regulamentar, o Detran disponibiliza tudo que falta para o automóvel estar livre para rodar.
Outros fatores importantes que influem diretamente na hora de vender são estética e mecânica. É recomendável que sejam feitos todas as revisões e reparos, ainda que pequenos, para não diminuir o interesse dos compradores. Amassados e arranhões podem afastar os possíveis clientes. Barulhos estranhos atestam que o carro está mal cuidado e isso provavelmente impossibilita a venda. Leve o carro em seu mecânico de confiança para resolver todos os problemas aparentes e peça um relatório de tudo que foi revisado. Isso passa mais credibilidade do estado do seu veículo.

Negociação
Com o carro impecável, você vai atrair os olhares dos compradores. Na hora da negociação de valores, é recomendável ter um preço já estabelecido e coerente com os praticados no mercado, permitindo uma certa flexibilidade de acordo com a urgência em vender. Pedir um pouco a mais do seu real desejo pode ser uma boa estratégia para aumentar a margem de barganha e, com sorte, seu bolso pode sair até mais cheio do que você antecipou.
Mesmo depois de bater o martelo, alguns cuidados são recomendáveis, principalmente referente à transferência. O Certificado de Registro do Veículo (CRV) precisa ser preenchido pelo comprador e, para sua garantia, só entregue o veículo após o recebimento do valor acordado e da assinatura do CRV. Esse documento deve ser levado ao Detran o mais rápido possível para atestar a venda para evitar que as infrações cometidas pelo novo dono caiam em seu nome.

Compartilhar

Postagens Relacionadas

Guia básico para negociar seu usado
4/ 5
Oleh

Assine via e-mail

Adicionar o seu endereço de e-mail para subscrever .

Página inicial