quinta-feira, 20 de setembro de 2018

3ª Jornada de Ginecologia e Obstetrícia de Uberlândia supera as expectativas


Nos dias 14 e 15 de setembro, evento reuniu residentes, estudantes e ginecologistas de Uberlândia e região para discutir temas mais comuns nos consultórios
Equipe de Organização da Jornada de Ginecologia e Obstetrícia: Ana Paula Lo Gullo, coordenadora de marketing do Hospital Santa Clara, Dra. Larissa Bronhara Pelá, Dra. Tânia de Fátima Alves, Dra. Leandra Régis Rodrigues, Dra. Gizeli de Fátima Ribeiro dos Anjos, Dra. Angélica Debs e Dra. Márcia Aires Rodrigues de Freitas

A constante atualização na busca de conhecimentos é fundamental para todas as profissões. Pensando na área médica, que sofre mudanças de acordo com as descobertas e tecnologias, o Hospital Santa Clara promoveu, nos dias 14 e 15 de setembro a 3ª Jornada de Ginecologia e Obstetrícia de Uberlândia. O evento contou com palestras de vários médicos renomados que puderam expor seus conhecimentos e trocar experiências com os participantes.
De acordo com a Diretora Técnica do Hospital Santa Clara, Dra. Tânia de Fátima Alves, valeu toda a dedicação para promover este evento, que foi um sucesso. “A cada ano a Jornada vem crescendo e trazendo mais novidades. Uberlândia é um polo de educação e percebemos que está carente de eventos focados nas especialidades e como temos um grande número de ginecologistas na região, a Jornada veio para trazer mais conhecimento para os profissionais e estudantes. Esperamos que este evento se torne tradição na região e que seja um embrião para que eventos científicos como este aumentem em nossa cidade”, afirmou a doutora.
A ginecologista e obstetra, Dra. Larissa Bronhara Pelá, é membro da comissão organizadora e informou que os temas foram escolhidos visando as situações que o ginecologista pode encontrar no consultório. “O bom profissional sempre busca se aprimorar, melhorar os seus conhecimentos, até para que certifiquem se estão fazendo certo ou não. Há cada ano nos surpreendemos com o aumento de inscritos. É muito prazeroso fazer parte disto, dá muito trabalho, mas é muito gratificante também”, enfatizou a médica.
            O Prof. Dr. Eduardo Cordioli, do Hospital Israelita Albert Einstein de São Paulo, veio apresentar a aula sobre como conduzir de forma segura a maturação cervical. “O intuito foi mostrar o projeto Parto Adequado, idealizado pelo Einstein junto com o Institute for Healthcare Improvement (IHI) e a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) para reduzir o número de parto cesáreo no sistema de saúde, evitando que os bebês que nasçam de cesárea de forma desnecessária e antes da hora vão para a UTI neonatal”, explica o especialista. Além disso, Dr. Eduardo debateu sobre métodos atuais de indução do parto de forma segura e eficiente. “Meu objetivo é demonstrar que a indução do parto é um ato médico que diminui o índice de cesárias e diminui complicações neonatais”, explicou.
            Dr. Geraldo Duarte, da Universidade de São Paulo (USP), falou sobre infecções do trato urinário durante o período gestacional. “Trouxe um estímulo para que os obstetras valorizem a infecção de trato urinário como uma doença que sabemos como começa, mas, nem sempre, o prognóstico é bom”, relatou.
            O Dr. Gil Facina, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), discutiu dois pontos importantes: “Segmentos das pacientes de alto risco” e “doenças mamárias benignas comuns da mama”. “Trouxe dados para os ginecologistas de quais seriam as mulheres que têm um risco aumentado para o desenvolvimento do câncer de mama e, a partir daí, tomar medidas preventivas para a redução da incidência. O câncer de mama atinge números epidemiológicos, no Brasil a cada 9 minutos, em média, uma nova mulher descobre ser portadora do câncer de mama. Os números estão assustadores, a cada 25 mulheres, uma dela vai desenvolver o câncer de mama ao longo da vida”, alertou o doutor.
            Durante o evento, aconteceu uma sessão interativa mostrando casos clínicos abordando os principais temas de ginecologia na área de mastologia.
            A professora da Universidade de São Paulo (USP), Dra. Silvana Maria Quintana, explicou sobre o tratamento da sífilis durante a gestação e sobre o rejuvenescimento vulvar e vaginal. “Falei sobre os métodos de investigação, diagnóstico e tratamento da sífilis na gestação e também sobre as várias tecnologias que podem melhorar o atrofismo vaginal, dando uma melhor qualidade de vida para a mulher que vive a menopausa”, explicou a especialista.
            Métodos contraceptivos também foram discutidos com a professora da Universidade de São Paulo (USP), Dra.  Giordana Campos Braga. “A contracepção pós-parto é um assunto estudado há bastante tempo, mas, apenas nos últimos cinco anos é que pudemos encontrar publicações científicas sobre os seus benefícios. Este método não traz riscos para a mãe (como trombose no caso das pílulas) e também não interfere no desenvolvimento do bebê, pois a amamentação não é prejudicada”, explicou a doutora.
Além dos temas citados, a 3ª Jornada de Ginecologia e Obstetrícia abordou temas como: condução segura da maturação cervical, síndrome dos ovários policísticos, avaliação de fertilidade, zica vírus na gestação e muito mais.
            “Olhar o resultado do evento e ter contado com a minha equipe que foi tão dedicada e se empenhou para entregar p melhor para os 150 inscritos, foi no mínimo motivo de muito orgulho para mim. De 2017 para 2018 crescemos 25% o número de inscritos, trouxemos uma estrutura de áudio e vídeo ainda maior e mais tecnológica para proporcionar maior interatividade aos participantes, o que de fato encantou a todos e deu maior mobilidade aos palestrantes em suas apresentações. Neste ano também inovamos no material do congressista e elaboramos os kits do evento com sacolas, blocos de anotações, canetas, material dos patrocinadores e brindes para maior conforto de todos”, diz Ana Paula Lo Gullo, coordenadora de marketing do Hospital Santa Clara.
            Para a realização Jornada são necessários mais de seis meses de planejamento, produzindo, comercializando e comunicando o evento. “Poder realizar o sonho de sete médicas em unir a academia com a prática clínica dos consultórios em um evento que contou com mais de oito horas de aula é muito gratificante. Além de tudo isso, a satisfação dos participantes também é de grande importância para nós. Através das nossas pesquisas, conseguimos atingir 97% de satisfação do evento e foram levantadas mais de 45 propostas de temas para os próximos anos, o que nos deixa entusiasmados para continuar com este projeto”, completa Ana Paula.
            Com certeza, a terceira edição deste evento vai ficar na memória de todos os participantes pelo alto nível de debates e conhecimento adquirido. A organização da Jornada agradece a todos os patrocinadores e apoiadores por auxiliarem na idealização do evento.

Compartilhar

Postagens Relacionadas

3ª Jornada de Ginecologia e Obstetrícia de Uberlândia supera as expectativas
4/ 5
Oleh

Assine via e-mail

Adicionar o seu endereço de e-mail para subscrever .

Página inicial