domingo, 15 de abril de 2018

Pré-eclâmpsia pode ser tratada nos três primeiros meses de gestação

De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde – OMS -, a pré-eclâmpsia atinge cerca de 5 a 7% das gestantes e está entre as principais causas de óbito no Brasil e no mundo. Entretanto, estudo científico divulgado recentemente aponta para a eficácia no tratamento com aspirina a partir do terceiro mês da gestação. A taxa de sucesso está em torno de 80%. Essa informação pode mudar as estatísticas e salvar a vida dos bebês e das mães.
A pré-eclâmpsia é uma complicação grave durante a gestação e acontece quando o médico identifica, por meio da ultrassonografia, uma alteração na dilatação dos vasos do útero. Essa dilatação deve acontecer naturalmente para alimentar o bebê com todos os nutrientes necessários para o seu desenvolvimento, mas em algumas gestantes isso não acontece. Nesses casos, há um aumento da pressão para manter a nutrição para o feto e a mãe apresenta quadro de hipertensão – fator central da pré-eclâmpsia. Quando isso ocorre até o oitavo mês da gestação os riscos de complicações são altos – pois, caso o bebê tenha que ser retirado as chances de ele ter algum problema de saúde, ou não sobreviver, são maiores.
"A doença está diretamente relacionada com a pressão alta, mas engana-se quem pensa que por ter pressão baixa está livre de ter este problema, pois, pode haver aumento de pressão durante a gestação", reforça Dr.ª Juliana Abdalla, ginecologista obstetra.
Assim como muitas doenças, o rastreamento precoce da pré-eclâmpsia também pode salvar vidas. Se não identificada, ela evolui para a pré-eclâmpsia – o que pode levar à morte da mãe e do bebê. De acordo com a Dr.ª Juliana Abdalla, o diagnóstico e o tratamento são simples, mas imprescindíveis.
"É importante começar o pré-natal o quanto antes, pois, conseguimos reduzir os índices da doença começando o tratamento impreterivelmente no terceiro mês. Os estudos científicos ainda não comprovam a eficácia do tratamento do quarto mês em diante", alerta.
Existem alguns sinais que servem de alerta para as gestantes que sugerem a pré-eclâmpsia. Veja:
* Pressão alta
* Dores de cabeça
* Inchaço nas pernas
* Dores no abdômen
* Ganho de peso – retenção de líquido
* Náusea
* Alterações da visão
* Aumento de proteinúria, isto é, perda de proteína pela urina

Compartilhar

Postagens Relacionadas

Pré-eclâmpsia pode ser tratada nos três primeiros meses de gestação
4/ 5
Oleh

Assine via e-mail

Adicionar o seu endereço de e-mail para subscrever .

Página inicial