quarta-feira, 21 de março de 2018

Tecnologias Embrapa na FEMEC 2018

TECNOLOGIAS PARA PRODUÇÃO DE GRÃOS
17 CULTIVARES SERÃO DEMONSTRADAS DE SOJA, FEIJÃO, MILHO, SORGO, TRIGO E GIRASSOL:

Feijão - BRS FC402
A cultivar de feijão BRS FC402 pertence ao grupo carioca. Possui ciclo normal - cerca de 90 dias. Indicado para as safras das águas, seca e inverno. Possui alta resistência à antracnose e murcha de fusário. Possui alto potencial produtivo e qualidade comercial de grãos (uniformes e com alto rendimento de peneira).

Feijão - BRSMG Realce
A cultivar BRSMG Realce pertence ao grupo comercial rajado, com alto potencial produtivo e alto valor agregado por sua excelente qualidade culinária. Apresenta ciclo semiprecoce (75-85 dias) e tem boa resistência ao mosaico comum e resistência intermediária à antracnose, crestamento bacteriano, ferrugem, mancha angular e à murcha de fusário.

Soja especial para Alimentação humana - BRSMG 790A
A BRSMG 790A é uma cultivar de soja convencional com características organolépticas, nutricionais e industriais favoráveis ao consumo humano e à indústria de alimentos. Possui grãos graúdos, sabor suave, cozimento mais fácil e melhor aparência dos grãos cozidos. Apresenta resistência à Mancha "olho-de-rã", ao Cancro da haste e ao Nematoide de galhas Meloidogyne incognita.

Soja especial para Alimentação humana – BRSMG 800A
A cultivar BRSMG 800A é uma soja convencional com tegumento marrom que, após o cozimento, apresenta características físicas que se assemelham bastante ao feijão "carioquinha".

Soja especial para Alimentação humana - BRSMG 715A
De tegumento preto, a cultivar de soja convencional BRSMG 715A é utilizada para o preparo de saladas e para o preparo de `sojoada´. Esta cultivar tem ciclo precoce, de cozimento rápido e ainda possui antioxidante natural, a antocianina, que ajuda a reduzir o envelhecimento das células.

Soja - BRS 7280RR
A cultivar BRS 7280RR possui ciclo superprecoce, porte alto, além de associar a resistência à ferrugem asiática. Por esta característica de resistência à ferrugem asiática e seu ciclo superprecoce permite a sua utilização no sistema da sucessão de culturas, aumentando a sustentabilidade agrícola.

Soja - BRS 7380RR
A BRS 7380RR possui ciclo precoce, grupo de maturidade 7.3, resistência às raças 3, 4, 6, 9, 10 e 14 do nematóide do cisto da soja (Heterodera glycines) com as resistências aos dois nematóides formadores de galhas, Meloidogyne incognita e Meloidogyne javanica, bem como apresenta baixo fator de multiplicação ao nematoide Pratylenchus brachyurus. Por estas características de resistências múltiplas a nematóides e seu ciclo precoce, permite a sua utilização no sistema produtivo em sucessão de culturas em regiões cujos solos apresentam histórico de problemas com os referidos nematóides, aumentando a sustentabilidade do sistema produtivo agrícola.

Soja Intacta- BRS 5980IPRO
A cultivar apresenta ciclo precoce o que favorece o plantio da segunda safra. Além disso, a cultivar apresenta-se como excelente opção de manejo de nematóides, pois apresenta resistência aos nematóides causadores de galhas (M. javanica) e resistência ao nematóide do cisto da soja (raças 3, 4, 5 e 14).

Soja Intacta - BRS 6970IPRO
A cultivar BRS 6970IPRO é superprecoce com excelente potencial produtivo. Apresenta resistência ao nematóide de galhas Meloidogyne javanica, moderada resistência ao oídio e tipo de crescimento indeterminado.

Soja Intacta - BRS 7470IPRO
A cultivar BRS 7470IPRO com excelente potencial produtivo, apresenta moderada resistência ao nematóide de galhas Meloidogyne javanica e ao oídio, possui tipo de crescimento indeterminado.

Milho-verde – BRS 3046
Cultivar de milho híbrido triplo. Recomendado para produção de milho-verde, podendo ser utilizado também para produção de grãos e silagem. Muito importante para os pequenos e médios produtores, chega para ampliar o mercado consumidor do milho verde in natura e da culinária. Com ele, a elaboração de pratos como pamonha, mingau, canjica, curau, bolos e tortas, ganha força porque tem um excelente rendimento. Apresenta grãos dentados e espigas grandes e bem empalhadas, sem restrição de altitude e para plantios em safra e safrinha. Resistente às principais doenças.

Milho doce – BRS Vivi
A cultivar de milho doce BRS Vivi tem produtividade média de 2.230 quilos por hectare e alto teor de açúcar no grão: 25%. A principal característica é que ele é um material considerado super doce, com aproximadamente 25% de açúcar no grão, o que é um número bem alto. As outras cultivares de milho doce têm uma média de 16% a 18% de açúcar. É uma característica importante porque vai fazer ela ser mais apreciada pelo consumidor, o que deve render um valor de mercado maior para o produtor.

Sorgo granífero BRS 373
O sorgo granífero BRS 373 é um híbrido desenvolvido especialmente para os plantios em sistemas de sucessão à soja. Seu ciclo superprecoce, alta produtividade e estabilidade fazem desta cultivar uma alternativa interessante para o produtor, especialmente em condições de segunda safra. O BRS 373 possui ampla adaptação, uniformidade, resistência/tolerância às principais doenças e nematóides associados à cultura do sorgo, além de resistência ao acamamento e tolerância ao alumínio tóxico no solo, sendo excelente opção para os produtores de grãos de sorgo.

Sorgo granífero BRS 380
O BRS 380 é um híbrido simples de sorgo granífero que apresenta ótimo desempenho nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, com produtividade de 4 a 6 toneladas de grãos por hectare, com ciclo precoce.

Trigo - BRS 394
O elevado potencial de produtividade, que pode alcançar 8 toneladas/hectare e a alta qualidade de panificação são as principais características da cultivar de trigo irrigado BRS 394.

Trigo - BRS 404
BRS 404 é indicada para a região de adaptação IV do Cerrado brasileiro, abrangendo os Estados de Goiás, Minas Gerais e o Distrito Federal, com ciclo
precoce a médio, a cultivar que pertence a classe comercial pão, vem se destacando em produtividade em cultivo de sequeiro.

Girassol - BRS 323
Entre as principais características do híbrido simples BRS 323 está o ciclo precoce (de 80 a 98 dias), o que facilita sua utilização no sistema de produção, tanto na rotação como na sucessão de culturas, e o teor de óleo nos aquênios, que varia de 40% a 44%. Apresenta boa resistência ao míldio (raça 330).

TECNOLOGIAS PARA PRODUÇÃO ANIMAL
07 CULTIVARES FORRAGEIRAS SERÃO APRESENTADAS: Brachiaria - BRS RB 331 Ipyporã
O híbrido BRS RB331 Ipyporã é resultado de um cruzamento entre B. ruziziensis e B. brizantha , suprindo a demanda de mercado por uma cultivar de Brachiaria de boa produtividade e manejo relativamente fácil, com elevado grau de resistência à cigarrinha da cana do gênero Mahanarva, além de apresentar resistência às cigarrinhas típicas de pastagem dos gêneros Deois e Notozulia. A BRS Ipyporã apresenta alta porcentagem de folhas, resultando em excelente cobertura do solo. Adaptada a solos de média fertilidade e com bom valor nutritivo, pode ser recomendada para as categorias de exigência nutricional mais elevada, tais como bezerros desmamados, vacas em terço final de gestação e em lactação.

Brachiaria brizantha - BRS Paiaguás
O capim-paiaguás é mais uma excelente opção de Brachiaria brizantha para a diversificação de pastagens em solos de média fertilidade nos cerrados. Apesar de não apresentar resistência à cigarrinha das pastagens, mostrou ter elevado potencial de produção animal no período seco, com alto teor de folhas e bom valor nutritivo, resultando em maiores ganhos de peso por animal e por área. Na Integração Lavoura-Pecuária é de fácil utilização com milho safrinha, para produção de forragem de outono-inverno e/ou de palhada para plantio direto. Sua dessecação requer baixas doses de glifosato.

Panicum maximum - BRS Quênia
A BRS Quênia é um híbrido de Panicum maximum que vem para o mercado para suprir uma demanda por uma cultivar produtiva e de excelente qualidade, de porte intermediário, com folhas macias, colmos tenros e alto perfilhamento. Esta cultivar apresenta arquitetura de planta que resulta em altos níveis de ganho de peso por animal e proporciona facilidade de manejo, por manter baixo alongamento dos colmos, característica que a diferencia entre todas as cultivares comerciais de porte médio a alto.

Panicum maximum - híbrido BRS Tamani
A cultivar BRS Tamani é um híbrido de Panicum maximum, com porte baixo, alta produção de folhas de alto valor nutritivo (elevados teores de proteína bruta e digestibilidade), produtividade e vigor, sendo de fácil manejo e resistente às cigarrinhas das pastagens. Sua alta qualidade e adaptação faz com que seja indicada para engorda de gado bovino, principalmente no bioma cerrado, sendo uma opção para diversificação de pastagens em solos bem drenados.

Panicum maximum - BRS Zuri
A BRS Zuri é uma gramínea cespitosa, que deve ser manejada preferencialmente sob pastejo rotacionado. Apresenta tolerância moderada ao encharcamento do solo, porém se desenvolve melhor em solos bem drenados, sendo mais uma opção para diversificação de pastagens no Cerrado. Suas principais características são a elevada produção, o alto valor nutritivo, a resistência às cigarrinha-das-pastagens e o alto grau de resistência à mancha das folhas, causada pelo fungo Bipolaris maydis.

Sorgo forrageiro BRS 658
O BRS 658 é um híbrido de sorgo forrageiro desenvolvido para atender a demanda por maior eficiência e melhor qualidade na alimentação de bovinos. Esse híbrido tem produtividade média de 50 t/ha de produção de massa verde, ciclo vegetativo adequado para ensilagem, colmos com excelente padrão fermentativo e alta porcentagem de grãos na massa, proporcionando uma silagem de alta digestibilidade e alto teor protéico (entre 8 e 9% de proteína bruta). O BRS 658 possui estabilidade de produção, tolerância à seca, baixo custo de produção e alta qualidade de forragem. Além de ter alta resistência ao acamamento, alta sanidade foliar, com destaque para a tolerância ao míldio (Peronosclerospora sorghi).

Milheto – BRS 1502
Cultivar BRS 1502 surge como boa opção para produção de grãos, de forragem e de palhada de alta qualidade, com crescimento rápido e alta capacidade de de perfilhamento e rebrota. Possui ciclo médio, com 60 dias da emergência ao florescimento.Tem bom potencial de produção de massa em sistemas de plantio direto e alta produção de grãos (média de 2.500 quilos de grãos por hectare). Apresenta excelente sanidade foliar, tolerância ao acamamento e sistema radicular profundo, além de auxiliar na supressão de nematoides.

Feijão Guandu - BRS Mandarim
A cultivar BRS Mandarim possui alto potencial para alimentação animal, adubação verde e recuperação de pastagens degradadas. É de fácil implantação e manejo, inclusive em solos de baixa fertilidade. Pode ser utilizado em apoio ao processo de produção de cana, na recuperação de áreas degradadas e no cultivo consorciado com milho e braquiária.

2) AVE POEDEIRA EMBRAPA 051
A Embrapa falará sobre a galinha poedeira colonial Embrapa 051. São galinhas híbridas, resultantes do cruzamento entre linhas Rhode Island Red e Plymouth Rock Branca, selecionadas na Embrapa, especializadas para produção de ovos de mesa de casca marrom e, por serem rústicas, se adaptam bem aos sistemas menos intensivos. Apresenta plumagem marrom intenso, ótima produção de ovos, longevidade e rusticidade. Iniciam postura às 21 semanas e produzem até as 90 semanas de idade, com potencial para produzir 345 ovos por ave alojada durante o ciclo produtivo. O pico de produção de 90% é alcançado às 30 semanas e o peso dos ovos é superior a 56g. Ao final do período produtivo, com peso corporal das aves de cerca de 2,385kg, permite bom aproveitamento para o consumo da carne. Com a Poedeira Colonial Embrapa 051, os produtores têm a possibilidade de substituir uma ave de baixa tecnologia por uma genética mais avançada, que proporcione aumento de produtividade na postura e a agregação de valor pela venda da carcaça para consumo.

TECNOLOGIAS PARA FRUTICULTURA
1) CULTIVARES DE MARACUJAZEIRO
Maracujá silvestre BRS Pérola do Cerrado A cultivar de maracujá silvestre BRS Pérola do Cerrado é uma alternativa para o mercado de frutas especiais e de alto valor agregado destinadas a indústrias de sucos, sorvetes, doces e para consumo in natura. Suas belas flores brancas e sua ramificação densa evidenciam seu potencial ornamental para paisagismos de grandes áreas. Apresenta grande potencial para cultivo em sistemas orgânicos e agroecológicos. Outro ponto relevante da cultivar é o grande potencial produtivo (superior a 25 ton/ha/ano) e a qualidade físico-química e funcional da polpa.

OUTRAS TECNOLOGIAS PARA SUSTENTABILIDADE DOS SISTEMAS PRODUTIVOS

1) INOCULANTE PROMOTOR DO CRESCIMENTO DE PLANTAS

Inoculante – AZOTOTAL
AZOTOTAL é um inoculante líquido desenvolvido especialmente para as culturas de milho, trigo e pastagens. Contém estirpes de Azospirillum brasilense, bactérias promotoras de crescimento que colonizam as raízes das plantas e têm como principal característica a produção de fitormônios durante todo o ciclo da cultura, além de ter a capacidade de induzir, na planta, resistência a doenças e ao estresse hídrico. Com o AZOTOTAL, o produtor pode atingir bons rendimentos, com redução substancial de fertilizantes nitrogenados. Esta solução tecnológica foi desenvolvida pela Embrapa em parceria com a Total Biotecnologia.

2) INSETICIDA BIOLÓGICO
Inseticida biológico - CartuchoVIT
Desenvolvido por meio de uma parceria entre a Embrapa e o Grupo Vitae Rural, o CartuchoVIT é um inseticida biológico à base de Baculovirus spodoptera contra a lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda), uma das principais pragas da cultura do milho. A tecnologia apresenta como diferenciais o baixo número de aplicações (em geral duas) e a preservação de mananciais de água e de inimigos naturais da praga, já que permite reduzir o uso de agrotóxicos durante manejo dessa praga.

CURSO E PALESTRAS
Dia 21/03: A Embrapa promoverá palestras no dia 21 de março, juntamente com parceiros, com temas voltados para formação e manejo de pastagens, demonstrando as novas cultivares forrageiras e apresentando os resultados de pesquisa com essas cultivares no bioma Cerrado, sendo opções ao produtor rural para diversificação de pastagens com alta qualidade. Dia 22/03: Curso sobre “Tecnologias para Produção de Soja no Triângulo Mineiro”. Curso é gratuito e dirigido aos produtores, assistência técnica e estudantes, terá duração de 9 horas. Curso é coordenado pelo Escritório de Inovação e Negócios da Embrapa no Triângulo Mineiro. Pesquisadores da Embrapa irão abordar os diversos aspectos que envolvem a produção de soja, destacando as características regionais presentes no Triângulo mineiro e no Alto do Paranaíba, assim como as cultivares de maior potencial produtivo para esta região. Também irá compor o curso uma palestra sobre a importância das forrageiras para o sistema produtivo de soja, como a construção da fertilidade do solo pode impactar positivamente para o cultivo da soja. Outro aspecto importante do processo de produção de soja que está previsto no curso é a utilização de tecnologias de Fixação Biológica do Nitrogênio e sobre o manejo de pragas e doenças.

Compartilhar

Postagens Relacionadas

Tecnologias Embrapa na FEMEC 2018
4/ 5
Oleh

Assine via e-mail

Adicionar o seu endereço de e-mail para subscrever .

Página inicial