terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Lançamento do livro “Não apague a luz ainda” e Abertura da exposição “Cores que te quero todas”

Acontece nesta quinta-feira, 18 de janeiro a partir das 19h30 o lançamento do livro “Não apague a luz ainda” e a abertura da exposição “Cores que te quero todas”, da escritora e artista plástica de Juiz de Fora, Maria Aparecida Rezende Lacerda, na Casa – Espaço de Desenvolvimento Humano, em Uberlândia (MG).
O público poderá conhecer a obra literária e os quadros da artista com a presença da mesma para autógrafos e apresentação de seu caminho profissional e de sua arte.

Sobre suas telas
“Nem só de cinqüenta tons de cinza se faz a vida. Às vezes, ela pode ser uma explosão de cores que transborda e se faz presente nos olhos, na tela, na alma. É assim que faço nessas telas abstratas, o meu registro do colorido do tempo da primavera, sem formas concretas, sem pétalas nem folhas. Apenas as cores do mar, do céu, das flores, da natureza. Movimentos sinuosos e traços que dançam como o vento, os sentimentos, os sonhos. Apenas isso...”
Segue o texto de Joaquim Branco Ribeiro Filho sobre o livro: As poucas vezes em que enfrentei a insônia passei por instantes ruins de nervosismo e impaciência. Imagino o que pode ser um problema desses se se tratar de inumeráveis desses momentos a se repetirem quase todas as noites.
Cida Rezende é "habituée" da insônia e reflete isso em suas crônicas de "Não apague a luz ainda", título em que, utilizando uma única palavra (a última), revela-se toda a angústia de quem prevê uma noite difícil e por isso é preciso retardar o sofrimento.
Só que ela aprendeu a enfrentar a vigília... escrevendo, e – segundo a própria – assim consegue escapar dos conhecidos remédios para ansiedade e outras mazelas que afligem o ser humano.
A literatura universal – de Proust a Stephen King, de Tchecov a Graciliano Ramos (este último tem até um livro com esse título), lista à qual não poderia faltar o argentino Jorge Luis Borges – é rica na temática, não fosse grande o número dos artistas frequentadores da noite e seu silêncio para as criações literárias. Num de seus contos, Borges, viajando em suas poéticas abordagens, assim define o sono: "Dormir é distrair-se do mundo". 
"Não apague a luz ainda" é um conjunto de crônicas de Maria Aparecida Resende Lacerda sob os temas da insônia e da memória, tratando-os, na maioria das vezes, tão leve e distraidamente que o leitor pode ser pego embarcando na mesma viagem da autora. Para isso contribui uma linguagem equilibrada e bem dosada que envolve e pede mais leitura a cada fragmento lido.
A primeira crônica "Foi assim", no entanto, mostra os primeiros enfrentamentos por meio dos quais a autora parece lutar fisicamente contra inimigos mortais e invisíveis ao mesmo tempo, como se antecipasse a vinda de um pesadelo cruel.
À medida que a escritura avança, como em "Entregando os pontos", a protagonista-autora descobre que, se for se soltando aos poucos nas mãos da insônia será melhor, como num doce martírio que acaba consumindo sem se sentir mais nada.
Os "canarinhos da terra" são protagonistas de "Opressão" e personificam o gênero humano em sua alegria e crueza, transvestidos de metáforas do homem em sua muitas vezes terrível miséria moral. Seres tão frágeis e bonitos, de repente, parecem se banalizar para "viver" personagens que a autora trabalha não como marionetes, mas como figuras que aos poucos vão criando vida própria e já não dependem do criador.
Percebi então, nessa altura da leitura do livro, que Cida não reuniu apenas crônicas dentro de um tema X, mas alcançou algo mais do que o gênero crônica e chegou a uma narrativa real-ficcional em capítulos, por meio de textos encadeados que se complementam e se sucedem naturalmente. Aí está a maior virtude do livro, a meu ver. 
"Boa noite" e "Asas de anjo" formam um recorte para introduzir cenas da infância da autora a reviver momentos de saudade, sempre com cuidadoso uso da linguagem.
Bem mais à frente, ocorre um retorno ao tema da insônia, como se aqueles fossem quadros pelos quais a memória entressonhou a vida passada na mineiridade das coisas simples.
Essas crônicas inauguram uma série de reminiscências infantis e juvenis através de textos bem resolvidos e estruturados. 
Na parte final, "Sono" retoma o fio que parecia perdido, como se a insônia reclamasse por algo que ficou no passado, e é isso mesmo, pois retornam os textos sobre a insônia que se encerram depois com "No silêncio".
Vale, para terminar, transcrever um fragmento que envolve "infância" e "insônia", como se ambas se juntassem para representar o passado e o presente tão bem urdidos e justapostos neste livro: 
"Agora, tantos anos passados, aproveito minhas noites de vigília para reviver esses momentos e, com a inocência e delicadeza das crianças, visto minhas asas e vou ao encontro de outros anjos que foram embora e me deixaram para trás..."

Será um honra termos nosso evento divulgado e apreciado por vocês. Uberlândia terá uma noite de muita arte!

Compartilhar

Postagens Relacionadas

Lançamento do livro “Não apague a luz ainda” e Abertura da exposição “Cores que te quero todas”
4/ 5
Oleh

Assine via e-mail

Adicionar o seu endereço de e-mail para subscrever .

Página inicial