segunda-feira, 12 de junho de 2017

Conheça 3 curiosidades sobre imunização

Qual documento é fundamental para que o cidadão possa se matricular em escolas e até viajar? Se você pensou “carteira de identidade”, errou. Tão importante quanto documentos de identificação, o “cartão de vacina” atesta o direito de imunização, garantido por lei no Estatuto da Criança e do Adolescente, que torna obrigatória a vacinação nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias.
O calendário de imunização gratuita no Brasil é extenso e atua para controlar e erradicar diversas doenças. “A vacinação tem contribuído para o aumento da expectativa e qualidade de vida da população e, sem dúvidas, dadas as diferentes condições de saneamento, nutrição e higiene encontradas no País, poderíamos estar entregues a uma série de doenças sem o avanço nesta área”, afirma o clínico geral e diretor da Med Care Assistência Domiciliar, Dr. Luis Henrique Vidigal.
Como a imunização já foi incorporada a nossa rotina há décadas, trouxemos algumas curiosidades sobre o assunto.
  
A primeira vacina foi feita no século X
A China foi o país pioneiro no combate a varíola, mas a “vacina” era produzida de maneira bem peculiar. Segundo reportagem do Jornal Nexo, os chineses trituravam cascas de feridas provocadas pela doença e assopravam o pó, concentrado com o vírus morto, sobre o rosto do paciente, que aspirava e absorvia os microorganismos.
Apenas em 1798 o cientista Edward Jenner conseguiu provar cientificamente a teoria de que uma pessoa se torna imune a uma doença depois de se expor à mesma. Jenner injetou pequenas quantidades do vírus da varíola em um garoto de 8 anos e logo observou que ele continuou saudável, mesmo após exposto a pessoas com a doença.
O princípio da produção da vacina continua o mesmo. Sabe-se que a injeção dos organismos biológicos inativos na corrente sanguínea estimula a produção de anticorpos, agentes de defesa do organismo, que se tornam resistentes à doença.

Cariocas rejeitaram a imunização pública
No começo do século XX, a cidade do Rio de Janeiro ainda não era maravilhosa. Então capital do país, abrigava grandes portos e a incidência de doenças, como febre amarela e até peste bubônica, era altíssima. O presidente do Brasil na época, Rodrigues Alves, assumiu a missão de revitalizar a cidade, começando pelo controle sanitário. Para ele, a meta deveria ser cumprida a qualquer preço.
O médico sanitarista Oswaldo Cruz foi designado para chefe da Diretoria de Saúde e seu polêmico projeto da lei de vacinação foi aprovado no congresso. Na época, a imunização era um recurso pouco conhecido pela população e o texto, que tinha medidas autoritárias e tornava obrigatória a vacinação contra a varíola, causou revolta na população.
É verdade que a insatisfação também foi fomentada pela oposição política, mas a rejeição por parte dos cariocas foi verdadeira. Mais de 3000 pessoas foram às ruas para protestar contra a medida, houve conflito com tropas do exército e vários bondes, principal meio de transporte público na época, foram derrubados.
O meio escolhido por Oswaldo Cruz foi extremo, mas trouxe resultados: seis anos após a revolta, somente um caso da varíola foi registrado na cidade.

Doenças dos tempos dos nossos avós        
Se você nunca ouviu falar ou precisou se preocupar com a escarlatina ou poliomelite, agradeça ao extenso trabalho de imunização dos agentes de saúde. Essas doenças, assim como a varíola, causaram muitos problemas nos séculos passados, mas hoje são consideradas erradicadas ou controladas.
No entanto, caso haja descuido na administração da imunização pública, elas podem voltar. Isso, porque as vacinas não atuam na eliminação de vírus e bactérias, e sim na estimulação do sistema imunológico a produzir anticorpos capazes de se defenderem de microorganismo específicos. Além disso, os agentes causadores de doenças também sofrem mutações genéticas e é necessário atualizar as vacinas.

Portanto, continuam a circular na natureza. Quando há falha no calendário de imunização ou mudanças no ambiente, epidemias são suscetíveis a acontecer, como o surto de caxumba atualmente.

Compartilhar

Postagens Relacionadas

Conheça 3 curiosidades sobre imunização
4/ 5
Oleh

Assine via e-mail

Adicionar o seu endereço de e-mail para subscrever .

Página inicial